quarta-feira, 18 de abril de 2018

Reunião entre o SEPE e o prefeito de Rio das Ostras


SEPE Rio das Ostras/Casimiro de Abreu está na Prefeitura de Rio Das Ostras para reunião com Carlos Augusto Balthazar, essa reunião é para discutir a pauta de reivindicações dos profissionais da educação e foi arrancada na manifestação do sindicato na prefeitura no ultimo dia 5/4, só a luta muda a vida.

quarta-feira, 11 de abril de 2018


A dura realidade de ser professor em Rio das Ostras: Representantes da categoria revelam situação da educação no município

Por LAÍS VARGAS jornalista matéria publicada na prensadebabel.com.br/index.php/2018/04/09/a-dura-realidade-de-ser-professor-em-rio-das-ostras-representantes-da-categoria-revelam-situacao-da-educacao-no-municipio/

Reajuste de 1% há 4 anos e cota máxima de material escolar são alguns dos problemas enfrentados, diz representantes do sindicato.

Professores da rede municipal de Rio das Ostras realizaram na última sexta-feira (6) mais um ato pela conquista de direitos e reivindicando uma audiência com o prefeito Carlos Augusto. O ato unificado com os moradores do município teve como objetivo chamar a atenção para as causas de cada categoria.
Inicialmente, a manifestação dos professores original aconteceu na quinta-feira (5) onde estavam presentes mais de 100 profissionais, entre professores do 1º e 2º segmento, auxiliares de desenvolvimento infantil e de creche. Por conta disso, o Prensa de Babel conversou com alguns dos líderes da categoria no município para ter uma ideia da realidade de como é ensinar na rede pública de Rio das Ostras.
Segundo os educadores, as principais reivindicações são reajuste salarial de 26%, incorporação da regência da regência ao salário, volta das matrículas para creche integral, ajustamento de conduta da aplicação da lei de 1/3 da carga horária para planejamento fora de sala de aula e melhorias nas condições de trabalho, além de material pedagógico disponível.
De acordo com o coordenador geral do Núcleo de Rio das Ostras do Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (SEPE) e professor do 2º segmento da rede pública, Luciano Barbosa, toda a classe de professores está a quatro anos sem reajuste salarial, sendo que no ano passado eles receberam apenas 1% de adequação. O que, segundo ele, não chega nem perto da perda inflacionária sofrida por nós durante todos esses anos.
“Outra questão importante é o ajustamento das horas para planejamento de atividades de classe. O que o município aplica não está condizente com o que lei estadual exige. Foi feito um pedido junto ao sindicato, mas ainda não é o ideal. A prefeitura está exigindo que tenhamos que abrir mais um processo, o que levará mais um ano. Ou seja, estão tentando nos enrolar com burocracia”, comentou o coordenador geral, Luciano Barbosa.
Outra questão abordada por eles é o material pedagógico disponível para uso dos professores. Segundo o professor de 1ª segmento e integrante do Núcleo de Rio das Ostras do SEPE, Jonathan Mendonça, no ano de 2017 só pode usar 73 folhas de cartolina para as diversas atividades com seus alunos.
“Há quase uma cota sobre quantos itens de cada material cada professor pode utilizar. Utilizei esse número de cartolinas bem antes do meio do ano, depois disso tive que me virar. Esse ano não vai ser muito diferente se nada mudar. A questão de material pedagógico disponível sempre foi muito complicada e precária”, afirmou o professor integrante do sindicato. Mas não são apenas os professores que sofrem com problemas referentes a falta de investimento na Educação. Segundo coordenadora de finanças do SEPE de Rio das Ostras, Winnie Freitas, muitas pessoas que são empregadas com cargos de auxiliar de creche e auxiliar de desenvolvimento infantil sofrem com baixos salários e não recebem insalubridade.
“Elas fazem o trabalho pesado, lidam com urina e fezes, lidam muito mais diretamente com as crianças e muitas delas recebem menos que um salário mínimo. A Prefeitura argumenta que com o vale transporte e refeição há uma equiparação. Porém esses valores não são levados para a aposentadoria. Existe uma senhora que temos conhecimento que se aposentou a pouco tempo como auxiliar de creche ganhando 900 reais, sendo que gasta 600 reais de plano de saúde. Isso é imoral”, declarou Winnie Freitas.
Os problemas em relação a creche em período integral também estão sendo abordados nas negociações do sindicato dos professores de Rio das Ostras.
“Isso afeta muito as mães que tem que trabalhar. As vagas na creche foram mudadas de período integral para parcial. Porque houve uma resolução do Governo Federal que obrigava o município a aumentar o número de vagas de creches. Eles fizeram isso para contornar esse problema de vagas sem realmente fazer nenhum investimento na situação”, explicou Winnie Freitas.
Segundo o coordenador geral do SEPE e professor, Luciano Barbosa, qualquer tipo de melhoria ou decisão que tenha que ser feito qualquer tipo de investimento não é levado em consideração no município.
“Não fazem nenhum investimento real em educação na cidade há anos. O secretário de Educação de Rio das Ostras, Cezar Santa Ana, nos recebeu no dia 06/04 para tratar desses assuntos, mas não teve nenhum desejo de ouvir verdadeiramente nossas reivindicações. Marcamos uma nova reunião com o para o dia 17. Até lá veremos como a gestão do município vai trocar ideias conosco”, finalizou Luciano Barbosa.

sábado, 7 de abril de 2018

Informe da não realização da audiência com o secretário de educação de Rio das Ostras

O SEPE arrancou no ato do dia 05/04 na prefeitura uma audiência para discutir a pauta de reivindicações da categoria com o secretário de educação de Rio das Ostras hoje às 14h. Infelizmente, essa audiência não se concretizou, porque o secretario alegou não ter tempo para a audiência marcada pelo prefeito. O secretário teve o monopólio da palavra, não deixando a diretoria do SEPE replicar suas respostas evasivas. Sendo assim, o secretário flertou um caráter de democracia afirmando estar contente em receber o SEPE, porém sabemos que não é nada democrático ficar falando sozinho, escolhendo os pontos a comentar, sem interagir objetivamente com as reivindicações do SEPE, afirmando a ausência de tempo como justificativa para não dar as respostas necessárias. Sendo assim, ficou marcada a REUNIÃO DE VERDADE ENTRE O SEPE E O SECRETÁRIO PARA O DIA 17 DE ABRIL ÀS 14h JUNTO COM O PREFEITO, para discutir as pautas que tem impacto orçamentário como reajuste salarial. Ocorrerá outra reunião com o secretário de educação para discutir as pautas pedagógicas, como a redução do número de alunos na sala de aula, que será realizada no dia 24 de abril às 8h na SEMEDE. Convocamos todos os educadores para estarem presentes nestes dois espaços conquistados por nossa luta. Seguiremos na luta, porque só a luta muda à vida!

quinta-feira, 5 de abril de 2018

Audiência 6/4 na SEMEDE Rio das Ostras 14h

Ato:https://www.facebook.com/SEPERiodasOstras1977/videos/1645973782184590/

SEPE Rio das Ostras/Casimiro de Abreu fez mais um ato na Prefeitura de Rio Das Ostras no dia 05/04, solicitando respostas ao prefeito Carlos Augusto Balthazar, que NOVAMENTE se negou a receber a categoria, alegando que o protocolo com pedido de audiência feito pelo SEPE a 15 dias atrás, não poderia ser cumprido por falta de agenda, e por isso remarcou em reposta a manifestação uma audiência com o secretario de educação no dia 06/04 as 14h na SEMEDE onde a categoria poderá entregar sua pauta de reivindicações que será debatida pelo secretario de educação no dia 06/04 e que será respondida pessoalmente pelo prefeito em nova audiência no dia 17/04 as 9h na prefeitura. Por isso convocamos os educadores a estarem as 14h na SEMEDE amanhã para apresentarmos nossa pauta de reivindicações, só a luta muda a vida!
Pauta:
1- Reajuste salarial de 26%
2- Pagamento de sábado letivo da regência de março de 2017, prometida pelo procurador municipal em reunião filmada pelo SEPE na prefeitura.
3- Incorporação da GAP no salário.
4- Incorporação da regência no salário.
5- Volta da progressão de carreira de 5%.
6- Volta dos enquadramentos por formação e dos triênios.
7- Reabertura de turmas do ensino médio no IMERO.
8- Redução do número de alunos em sala de aula.
9- Debate com o SEPE do Plano de Cargos, Carreira e Vencimentos
10- A volta das matriculas para creche integral
11- Auxiliar de creche ganhar abono de insalubridade
12- Auxiliar de Desenvolvimento Infantil ganhar regência
13- Eleição direta para diretores de escola
14- Novo Concurso Público para os profissionais da educação
15- Desconto em folha para filiados do SEPE da rede municipal.
16- Contra o projeto empresarial adote uma escola,
17- Por melhorias nas condições de trabalho


quinta-feira, 29 de março de 2018

Ato do SEPE Rio das Ostras



A assembleia do SEPE Rio das Ostras/Casimiro de Abreu decidiu ontem 15/3 fazer um ato que se iniciara as 11h30 da manhã de quinta feira dia 5/4 na Prefeitura de Rio Das Ostras, para reivindicar uma audiência com o prefeito Carlos Augusto Balthazar no mesmo dia às 12h. Os educadores aprovaram também participar e apoiar os outros atos unificados convocados pelos moradores da cidade. Os profissionais de educação que vem passando por um processo absurdo de precarização não podem abrir mão de sua voz e devem se organizar para seguir o único caminho capaz de levar a vitórias: a luta! A nossa pauta de reivindicações é: Reajuste salarial (reposição + ganho real), falta de insumos pedagógicos e condições de trabalho, debate sobre a comissão do Plano de Cargos Carreira e Vencimentos, a necessidade da volta dos índices e porcentagens das gratificações nos valores anteriores ao estado de calamidade pública, a necessidade do pagamento da regência do ano passado ainda não paga a categoria, a situação das merendeiras, entre outros temas importantes para categoria. Só com um sindicato forte e com os profissionais da educação unidos participando do ato, só assim vamos conseguir arrancar do governo as nossas reivindicações, porque só a luta muda a vida!



A prefeitura de Rio das Ostras que escolheu um dono de escola privada para ser secretário de educação, Cezar Santa Ana, no dia 28-03-2018 encaminhou a câmara municipal um projeto de lei que prevê a implantação do programa “Adote uma escola”, que significa uma parceria com empresas que poderão veicular publicidade dentro da instituição de ensino.
Este ataque vem sendo organizado pelo empresariado que tem entendido a educação como um importante instrumento de realização dos seus interesses. A consequência deste processo tem sido a privatização ostensiva da educação, aumento do controle sobre o trabalho docente e a precarização da escola pública.
Na educação básica a agenda do movimento empresarial Todos Pela Educação tornou-se dominante. O PDE “Todos pela Educação” (2006) foi o maior exemplo disto, tendo assumido em sua apresentação a palavra de ordem do movimento organizado pelo empresariado.
No estado do Rio de Janeiro os contornos são radicais. No ensino médio a SEEDUC produziu duas estratégias: fechar escolas ou privatizá-las. Neste sentido, a pesquisa do professor da Universidade Federal Fluminense (UFF) Nicolas Davies identificou que meio milhão de matrículas simplesmente desapareceram do banco de dados da secretaria. A política para o restante da rede produziu ao mesmo tempo a privatização das escolas e um processo de proletarização do trabalho docente.
O caso da rede municipal do Rio de Janeiro é o maior exemplo. A SME se tornou um balcão de negócios onde empresas e ONGs disputam a venda de seus projetos. O exemplo da prefeitura do Rio e do governo do estado vem sendo seguido nas demais redes municipais. Na baixada a Bayer vem sendo responsável pela educação ambiental das redes municipais de Duque de Caxias, Belford Roxo e São João de Meriti. Em Itaboraí, o COMPERJ já avança em seu projeto de educar em seu favor as crianças, lançando mão de diversos projetos pedagógicos.
A proposta do SEPE Rio das Ostras/Casimiro de Abreu é de que o investimento da educação deve ser de, no mínimo, 10% do PIB, destinado às escolas públicas e não que empresas financiem a educação.
O Plano Nacional de Educação colabora com a privatização, permitindo que recursos públicos sejam direcionados para entidades privadas, proposta defendida pelo Todos Pela Educação. Além disso, o PNE ataca o docente, ao buscar retirar-lhe a autonomia pedagógica, através de apostilas, de avaliações externas, da seleção prévia de conteúdo (currículo mínimo), da polivalência docente e, muito importante, da meritocracia, onde a subserviência a este projeto é bonificada.
A classe dominante brasileira entendeu que a escola pública, pode ir além de manter as pessoas na ignorância (projeto histórico da educação brasileira) pode, mais ainda, educar em favor do capital. É a nossa principal tarefa, nas lutas no âmbito da educação local, regional e nacionalmente barrar este ataque! Todos ao ato dos profissionais da educação no dia 5 de abril às 11h30 na prefeitura de Rio das Ostras. Só a luta muda a vida!

Assembleia geral da rede municipal de Casimiro de Abreu


A prefeitura de CASIMIRO DE ABREU que vem adotando projeto de privatização da educação municipal através da extinção de cargos e posterior contração através de contratos precarizados (aplicação da reforma trabalhista), que retira direitos e submete trabalhadores a seus desmandos. 
Recentemente atacou o plano de saúde dos servidores da ativa e aposentados, concedendo 20% de reajuste até do plano aos servidores da ativa , retirando o benefício dos aposentados e aplicando a tabela de preços, de mercado, para os dependentes.
Como se não bastasse a atual gestão vem descumprindo o PME, pois o mesmo propunha a implantação da DATA BASE em 2017.
O MEC indicou a reposição salarial de 6,81% e até o momento nada foi dito sobre o assunto pelos governantes de Casimiro.
Muitas tem sido as reclamações dos profissionais de educação a respeito de suas vantagens (triênios, mudanças de níveis, férias, valor da hora suplência, etc...).
Este ataque vem sendo organizado pelo empresariado que tem entendido a educação como um importante instrumento de realização dos seus interesses. A consequência deste processo tem sido a privatização ostensiva da educação, aumento do controle sobre o trabalho docente e a precarização da escola pública.

Na educação básica a agenda do movimento empresarial Todos Pela Educação tornou-se dominante. O PDE “Todos pela Educação” (2006) foi o maior exemplo disto, tendo assumido em sua apresentação a palavra de ordem do movimento organizado pelo empresariado.

No estado do Rio de Janeiro os contornos são radicais. No ensino médio a SEEDUC produziu duas estratégias: fechar escolas ou privatizá-las. Neste sentido, a pesquisa do professor da Universidade Federal Fluminense (UFF) Nicolas Davies identificou que meio milhão de matrículas simplesmente desapareceram do banco de dados da secretaria. A política para o restante da rede produziu ao mesmo tempo a privatização das escolas e um processo de proletarização do trabalho docente. 

O caso da rede municipal do Rio de Janeiro é o maior exemplo. A SME se tornou um balcão de negócios onde empresas e ONGs disputam a venda de seus projetos. O exemplo da prefeitura do Rio e do governo do estado vem sendo seguido nas demais redes municipais. Na baixada a Bayer vem sendo responsável pela educação ambiental das redes municipais de Duque de Caxias, Belford Roxo e São João de Meriti. Em Itaboraí, o COMPERJ já avança em seu projeto de educar em seu favor as crianças, lançando mão de diversos projetos pedagógicos.

A proposta do SEPE Rio das Ostras/Casimiro de Abreu é de que o investimento da educação deve ser de, no mínimo, 10% do PIB, destinado às escolas públicas e não que empresas financiem a educação.

O Plano Nacional de Educação colabora com a privatização, permitindo que recursos públicos sejam direcionados para entidades privadas, proposta defendida pelo Todos Pela Educação. Além disso, o PNE ataca o docente, ao buscar retirar-lhe a autonomia pedagógica, através de apostilas, de avaliações externas, da seleção prévia de conteúdo (currículo mínimo), da polivalência docente e, muito importante, da meritocracia, onde a subserviência a este projeto é bonificada. 
A classe dominante brasileira entendeu que a escola pública, pode ir além de manter as pessoas na ignorância (projeto histórico da educação brasileira) pode, mais ainda, educar em favor do capital. É a nossa principal tarefa, nas lutas no âmbito da educação local, regional e nacionalmente barrar este ataque! Todo(a)s profissionais da educação da REDE MUNICIPAL DE CASIMIRO DE ABREU A ASSEMBLÉIA nos dias 4 e 5 de abril às assembleias de CASIMIRO DE ABREU E BARRA DE SÃO JOÃO.