quinta-feira, 17 de abril de 2014

Sepe convoca a rede municipal de Rio das Ostras para Seminário Aberto, em 24 de abril



Diretoria do Sepe Núcleo Rio das Ostras e Casimiro de Abreu

Sepe - Núcleo Rio das Ostras e Casimiro de Abreu
End.: Alameda Casimiro de Abreu, 292 – 3º and. Sl. 8 – Nova Esperança – Rio das Ostras
Tel.: (22) 2764-7730
Horário de Funcionamento: Segunda, Quarta e Sexta das 09h às 13h; Terça e Quinta das 13h às 17h.
E-mail: sepe.riodasostrasecasimiro@gmail.com
Twitter: @sepeostras
Facebook: Perfil Sepe Rio das Ostras

Sepe convoca para assembleia da rede municipal de Rio das Ostras em 30 de abril



Diretoria do Sepe Núcleo Rio das Ostras e Casimiro de Abreu

Sepe - Núcleo Rio das Ostras e Casimiro de Abreu
End.: Alameda Casimiro de Abreu, 292 – 3º and. Sl. 8 – Nova Esperança – Rio das Ostras
Tel.: (22) 2764-7730
Horário de Funcionamento: Segunda, Quarta e Sexta das 09h às 13h; Terça e Quinta das 13h às 17h.
E-mail: sepe.riodasostrasecasimiro@gmail.com
Twitter: @sepeostras
Facebook: Perfil Sepe Rio das Ostras

Sepe/RJ convida para 2º Encontro de Lideranças de aposentados, em 29/04



Diretoria do Sepe Núcleo Rio das Ostras e Casimiro de Abreu

Sepe - Núcleo Rio das Ostras e Casimiro de Abreu
End.: Alameda Casimiro de Abreu, 292 – 3º and. Sl. 8 – Nova Esperança – Rio das Ostras
Tel.: (22) 2764-7730
Horário de Funcionamento: Segunda, Quarta e Sexta das 09h às 13h; Terça e Quinta das 13h às 17h.
E-mail: sepe.riodasostrasecasimiro@gmail.com
Twitter: @sepeostras
Facebook: Perfil Sepe Rio das Ostras

Conversando com versos (57): “Cristo de Marfim”, de Antero Augusto Bloem (1878-1919)

 

"Cristo de Marfim"
Antero Augusto Bloem

Quando depões sobre o teu Cristo amado,
- esse Cristo que pende de teu peito,
ungido de ternura e de respeito -
um beijo de teu lábio imaculado,

  eu, sacrílego, sinto-me levado
- ou seja por inveja, ou por despeito -
a arrebatar o Cristo de teu peito
e em teu peito morrer crucificado.

  Mas, quando vejo, do teu lábio crente,
 cair sobre o Jesus a prece ardente,
 talvez por nosso amor, talvez por mim,

  ardo na chama intensa dos desejos
de, arrependido, sufocar meus beijos
nesse teu alvo Cristo de Marfim.



Diretoria do Sepe Núcleo Rio das Ostras e Casimiro de Abreu

Sepe - Núcleo Rio das Ostras e Casimiro de Abreu
End.: Alameda Casimiro de Abreu, 292 – 3º and. Sl. 8 – Nova Esperança – Rio das Ostras
Tel.: (22) 2764-7730
Horário de Funcionamento: Segunda, Quarta e Sexta das 09h às 13h; Terça e Quinta das 13h às 17h.
E-mail: sepe.riodasostrasecasimiro@gmail.com
Twitter: @sepeostras
Facebook: Perfil Sepe Rio das Ostras



quarta-feira, 16 de abril de 2014

Prestando Contas (18) Mês de referência: Janeiro de 2014

Relatório de Atividades (resumo):

O Sepe Núcleo Rio das Ostras e Casimiro de Abreu está divulgando o Relatório de Atividades e o balancete mensal referentes a janeiro de 2014.

O mês de janeiro, como é de conhecimento geral, é reservado às férias (merecidas) dos profissionais das diferentes redes de ensino.

Contudo, o Núcleo funcionou por todo o mês em regime de plantões com horário especial, enquanto aguardava o retorno das férias (também merecidas) da funcionária do sindicato.

Destaque para a participação do Núcleo no Seminário de Planejamento das direções do Sepe Central, dos Núcleos e das Regionais, ocorrido neste mês, para avaliar e encaminhar as lutas da Campanha Salarial unificada de 2014.

Internamente, além dos plantões de diretores, aconteceram os plantões do Departamento Jurídico com a presença do advogado do Sepe/RJ, que tratou de inúmeras questões demandadas pelas redes de ensino como: ação do 1/3 para planejamento, 6º Concurso Público de Rio das Ostras; utilização e transparência do Fundeb; merenda escolar (qualidade e prestação de contas); construção e reforma de escolas e creches; audiência junto ao M.P.; revisão do PCCV da Educação de Rio das Ostras; convênio para desconto em folha dos filiados; entre outros pontos.


Calendário das atividades realizadas e participadas pelo Núcleo no mês de janeiro de 2014:

08 (4ªf) – 9/18h – Seminário de Planejamento das direções do Sepe Central, dos Núcleos e das Regionais, no (ex) Colégio Assunção, Santa Teresa (Rio de Janeiro)
           
09 (5ªf) – 9/16h – Seminário de Planejamento (conclusão)

24 (6ªf) – 11h – Plantão do Departamento Jurídico so Sepe/RJ, na sede do Núcleo

29 (4ªf) – 11h – Plantão do Departamento Jurídico so Sepe/RJ, na sede do Núcleo


Nos dias 02, 03, 06, 07, 13, 17, 20, 21, 22, 24, 27, 29, e 30 de janeiro ocorreram os plantões de diretores na sede do Núcleo, conforme anotações no livro “Cotidiário”. Ações de rotina: atendimento à categoria, presencialmente ou por telefone; contatos pelas redes sociais; elaboração de textos, boletins, cartazes e postagens na internet; elaboração do plano de contas e dos balancetes mensais; contatos com bancos e fornecedores; acompanhamento dos trabalhos da funcionária; contatos com o Sepe Central e demais instituições; organização e funcionamento da sede, em geral.


Só a luta transforma a vida!

Diretoria do Sepe Núcleo Rio das Ostras e Casimiro de Abreu


Sepe - Núcleo Rio das Ostras e Casimiro de Abreu
End.: Alameda Casimiro de Abreu, 292 – 3º and. Sl. 8 – Nova Esperança – Rio das Ostras
Tel.: (22) 2764-7730
Horário de Funcionamento: Segunda, Quarta e Sexta das 09h às 13h; Terça e Quinta das 13h às 17h.
E-mail: sepe.riodasostrasecasimiro@gmail.com
Twitter: @sepeostras
Facebook: Perfil Sepe Rio das Ostras

terça-feira, 15 de abril de 2014

O papel do educador na formação política dos educandos



Por Frei Betto*

Havana, 9º Congresso Internacional de Educação Superior, 12 de fevereiro de 2014

O bloco socialista se desintegrou antes de completar um século. A União Soviética se esfacelou e os países que a formavam adotaram o capitalismo como sistema econômico e sinônimo de democracia. Tudo aquilo que o socialismo pretendia e, de alguma maneira, alcançara – redução da desigualdade social, garantia do pleno emprego, saúde e educação gratuitos e de qualidade, controle da inflação etc. – desapareceu para dar lugar a todas as características desumanas do neoliberalismo capitalista: a pessoa encarada, não como cidadã, e sim como consumista; o ideal de vida reduzido ao hedonismo; a exploração da força de trabalho e a apropriação privada da mais-valia; a especulação financeira; a degradação da condição humana através da prostituição, da indústria pornográfica, da criminalidade e do crescente consumo de álcool e drogas.

É nosso dever, como homens e mulheres de esquerda, nos perguntarmos quais as causas do desaparecimento do socialismo na Europa. Sabemos todos que há um amplo leque de causas, que vão da conjuntura econômica de um mundo bipolar hegemonizado pelo capitalismo às pressões bélicas em decorrência da Guerra Fria.

Entre as tantas causas destaco uma de caráter subjetivo, ideológico, que diz respeito ao nosso tema: o papel do educador na formação política dos educandos.

Devo dizer que, antes da queda do Muro de Berlim, tive a oportunidade de visitar a China e a Polônia; duas vezes a Tchecoslováquia e a Alemanha Oriental; e três, a União Soviética.

O socialismo europeu cometeu o erro de supor que seriam naturalmente socialistas pessoas nascidas em uma sociedade socialista. Como se a concepção marxista e os valores altruístas fossem geneticamente transmissíveis. Esqueceu-se da afirmação de Marx de que a consciência reflete as condições materiais de existência, mas também influi e modifica essas condições. Há uma interação dialética entre sujeito e realidade na qual ele se insere.

Em primeira instância, e não em última, nascemos todos autocentrados. “O amor é um produto cultural”, teria dito Lênin. Resulta do desdobramento de nosso ego, o que se obtém através de práticas que infundam valores altruístas, gestos solidários, ideais coletivos pelos quais a vida ganha sentido e a morte deixa de ser encarada como fracasso ou derrota.

Segundo Lyotard, o que caracteriza a pós modernidade é não saber responder a questão do sentido da vida. Este o papel do educador: não apenas transmitir conhecimentos, facilitar pedagogicamente o acesso ao patrimônio cultural da nação e da humanidade, mas também suscitar no educando o espírito e a militância revolucionários, a busca do homem e da mulher novos espelhados, aqui no caso de Cuba, nos exemplos de Martí, Che Guevara e Fidel.

Ora, isso jamais será possível se não se propicia ao magistério um processo de formação permanente. É um equivoco julgar que professores de um país socialista, ainda que filiados ao partido que encabeçou a Revolução, sejam revolucionários. Nenhum de nós é totalmente invulnerável às seduções capitalistas, aos atrativos do individualismo, à tentação de acomodamento e indiferença frente ao sofrimento alheio e às carências coletivas.

Estamos todos permanentemente sujeitos às influências nocivas que satisfazem o nosso ego e tendem a nos imobilizar quando se trata de correr riscos e abrir mão de prestígio, poder e dinheiro. A corrupção é uma erva daninha inerente ao capitalismo e ao socialismo. Jamais haverá um sistema social no qual a ética se destaque como virtude inerente a todos que nele vivem e trabalham.

Se não é possível alcançar a utopia de ética na política, é preciso conquistar a ética da política. Criar uma institucionalidade política que nos impeça de “cair em tentação” quanto à falta de ética. Isso só será possível em um sistema no qual inexistam a impunidade e o desejo de corromper e aceitar corrupção. Tal objetivo não se alcança por meio de repressão e penalidades, embora sejam necessárias. O mais importante é o trabalho pedagógico, a emulação moral, tarefa na qual os professores desempenham papel preponderante, na medida em que lidam com a formação da consciência e da prática das novas gerações.

Um professor revolucionário deve ter atitudes pautadas pela construção de uma identidade humana na qual haja adequação entre essência e existência. Esse professor deve administrar sua disciplina escolar contextualizando-a na conjuntura histórica na qual se insere.

O papel número um do educador não é formar mão de obra especializada ou qualificada para o mercado de trabalho. É formar seres humanos felizes, dignos, dotados de consciência crítica, participantes ativos do desafio permanente de aprimorar o socialismo, que considero o nome político do amor. Para tanto, cabe a quem educa suscitar nos educandos apreço aos valores que estimulam o altruísmo, a solidariedade, o serviço desinteressado às causas coletivas, ainda que a fonte desses valores não seja estritamente ideológica, mas também religiosa ou espiritual.

Caminhar nesse sentido implica vencer alguns desafios da atual conjuntura. O primeiro deles é superar o avassalador processo neoliberal de desistorização da história. Sem perspectiva histórica não há consciência nem projetos políticos. Ao enunciar que “a história acabou”, o neoliberalismo quer nos incutir a convicção de que o tempo é cíclico, como para os antigos gregos, e qualquer tentativa de historicizá-lo é inútil, até mesmo porque a humanidade, como apregoam os neoliberais, já atingiu o seu mais alto patamar civilizatório, consubstanciado no sistema capitalista, capaz de comportar a única democracia possível...

Martí já havia pressentido essa questão e, portanto, insistido na educação como processo de formação da consciência histórica: “Para estudiar las posibilidades de la vida futura de los hombres, es necesario dominar el conocimiento de las realidades de su vida pasada. Del progreso humano se habla tanto que a poco más va a parecer vulgaridad hablar de él. No se puede predecir cómo progresará el hombre, sin conocer cómo ha progresado (...)” (José Martí, “Exposición de la eletricidad”, La América, Nova York, março de 1883, T. 8, p. 347).

Um segundo desafio a vencer é o mimetismo cultural, próprio da consciência colonizada, que julga o opressor modelo a ser imitado pelo oprimido, como bem denunciou Paulo Freire em suas obras. Sempre observei, nas três décadas em que retorno com frequência a Cuba, que aqui muitos se comparam aos padrões dos EUA, e não aos da América Latina. Tivessem todos os cubanos a consciência de que esta nação, comparada ao conjunto da América Latina, é mais avançada em saúde, educação, direitos sociais e igualdade de acesso aos bens essenciais à vida, com certeza seria bem menor o nível de insatisfação daqueles que adotam como padrão de desenvolvimento o consumismo estadunidense, sem levar em conta os milhares de cidadãos dos EUA excluídos de livre acesso aos bens essenciais à vida. Há hoje mais de 40 milhões de pessoas ameaçadas pela miséria e mais negros nas prisões daquele país do que escravos no século XIX!

Um terceiro desafio é, neste mundo hegemonizado pela mercantilização de todas as dimensões da vida e de todos os aspectos da natureza, cultivar a espiritualidade. “Es necesario mantener los hombres en el conocimiento de la tierra y en la perdurabilidad y trascendencia de la vida” (Martí, “Maestros ambulantes”, La América, Nova York, maio de 1884, T. 8, p. 288).

Martí antecipa Paulo Freire ao enfatizar que o educando deve ser o protagonista do processo educativo. “(...) no hay mejor sistema de educación que aquel que prepara [al] niño a aprender por si” (José Martí, La América, Nova York, novembro de 1883, T. 8, p. 421). É o que ele repetirá em La Edad de oro: “[...] los hombres deben aprenderlo por si mismos, y no creer sin preguntar, ni hablar sin entender, ni pensar como esclavos lo que les mandan pensar otros [...]” (José Martí, Un paseo por la tierra de los anamitas, T. 18, p. 459).

Paulo Freire, em sua Pedagogia do oprimido, irá acentuar que a verdadeira educação é a que conscientiza o educando sobre as contradições do mundo, sejam elas estruturais, superestruturais ou interestruturais. Essas contradições, uma vez conscientizadas, desacomodam o educando, impelindo-o a se tornar agente ou protagonista de transformação da realidade. Para alcançar esse objetivo, Freire aponta 10 sintomas do que ele qualifica de “educação bancária” e que precisam ser evitados ou erradicados: 1) o educador é que educa; os educandos, os que são educados; 2) o educador é que sabe; os educandos, os que não sabem; 3) o educador é o que pensa; os educandos, os que apreendem os pensamentos como verdades absolutas; 4) o educador é o que diz a palavra; os educandos, os que a escutam docilmente; 5) o educador é o que disciplina; os educandos, os disciplinados; 6) o educador é o que opta e prescreve sua opção; os educandos, os que seguem a prescrição; 7) o educador é que atua; os educandos, os que têm a ilusão de que atuam na atuação do educador; 8) o educador escolhe o conteúdo programático; os educandos jamais são ouvidos nesta escolha, se acomodam a ele; 9) o educador identifica a autoridade do saber com sua autoridade funcional, que opõe antagonicamente à liberdade dos educandos; estes devem adaptar-se às determinações daquele; 10) o educador, finalmente, é o sujeito do processo; os educandos, meros objetos. (Paulo Freire, Pedagogia do oprimido, Rio, Paz e Terra, 1974, PP. 67-68).

A educação deve ser dialógica, conscientizadora, problematizadora, contextualizadora, de modo a superar a contradição educador-educando e tornar-se um exercício permanente de prática da liberdade. Em seu folheto Guatemala, publicado no México em 1878, Martí elogia a pedagogia da Universidade Central da Guatemala: “E os jovens se animam. Criticam o professor, o texto, o livro de consulta. Rejeitam a imposição magistral, o que também é bom. Desejam saber para crer. Aspiram à verdade por meio da experiência; maneira de tornar sólido o talento, firmes as virtudes e enérgico o caráter.” (Citado in Diego Jorge González Serra, Martí e a psicologia, São Paulo, Escrituras, 2001, p. 81).

Uma educação que se reduz a ser mera ortofonia, repetição incessante de conceitos petrificados pela voz da autoridade, destitui o educando de senso crítico e imprime nele a ideia de que a Revolução é um fato histórico do passado, e não um perene desafio à cada nova geração. Para que haja educandos revolucionários é preciso que o processo educativo seja igualmente revolucionário, o que significa transformar a escola em um laboratório no qual se estabeleça uma interconexão estratégica entre todas as disciplinas, e o ensino esteja permanentemente conectado às conjunturas nacional e internacional. O médico não é apenas aquele que sabe lidar com o órgão enfermo, mas que também conhece as causas sociais, históricas e psíquicas de produção das doenças e suscita em seu paciente o vigor de combatê-las. O administrador não se resume a cuidar bem da empresa que lhe foi confiada, mas também desperta nos funcionários o senso ético do serviço que a empresa presta ao público, impedindo desvios, corrupções e desperdícios. O técnico em computação não é apenas quem domina o funcionamento do equipamento eletrônico e procura aprimorá-lo, mas também quem compreende o papel político das redes sociais, o poder da informática nas relações entre nações, o risco de que a realidade virtual se descole sempre mais, com o perdão da redundância, da realidade real.

Sabemos todos que a Revolução Cubana se encontra em um momento crucial. Ao contrário do Período Especial, imediatamente após a queda do Muro de Berlim e o desaparecimento da União Soviética, o momento agora não é de extrema carência, é de abundância de ideias, propostas e sugestões de como a Revolução fará jus ao legado recebido de seus três grandes luminares – Martí, Fidel e Che – para adaptar-se ao século XXI, preservando e melhorando sua ética de não exploração do trabalho alheio e apropriação privada da riqueza; seus direitos sociais, como alimentação, saúde e educação a todos, sem discriminações e perda de qualidade; sua liberdade de pleno exercício e expressão do pensamento, da criatividade artística, da convicção religiosa; sua moral, de preservação por todos do que a todos pertence, erradicando a corrupção, o absenteísmo e a dilapidação do patrimônio público; seu internacionalismo, incutindo nas novas gerações o senso de solidariedade, serviço aos mais necessitados, partilha dos talentos e dos bens.

Sabemos todos que a Revolução enfrenta inimigos poderosos, como o bloqueio imposto pela Casa Branca a Cuba; a injusta prisão dos cinco heróis cubanos nos EUA; a pressão midiática neoliberal, eivada de preconceitos e ofensas; as dificuldades de obtenção de créditos e de mercado para os produtos cubanos. O principal inimigo, porém, não está lá fora. Está dentro de Cuba. E pode ser identificado com facilidade: é a educação “bancária”; é o desânimo frente aos desafios; é o individualismo que busca seu próprio proveito, sem considerar os direitos coletivos; é a falta de cuidados com os bens públicos; é a indiferença frente aos mais necessitados e envelhecidos; enfim, é o egoísmo que faz de cada um de nós um vírus capaz de corroer e debilitar o organismo social sadio. Esse inimigo interno é o mais perigoso e letal.

Felizmente é também o mais fácil de se combater quando se adotam métodos eficazes de educação libertadora, de emulação moral, de cultivo de espiritualidades que, a cada dia, despertem em cada um de nós aquilo que mais almejamos e que Martí bem resume nestas palavras: “(...) o dom do amor, que torna o gênio fecundo.” (La América, Nova York, agosto de 1883).

* Palestra feita por Frei Betto, em fevereiro, no Congresso Mundial de Universidades 2014, realizado em Havana, Cuba

Fonte: 


Diretoria do Sepe Núcleo Rio das Ostras e Casimiro de Abreu

Sepe - Núcleo Rio das Ostras e Casimiro de Abreu
End.: Alameda Casimiro de Abreu, 292 – 3º and. Sl. 8 – Nova Esperança – Rio das Ostras
Tel.: (22) 2764-7730
Horário de Funcionamento: Segunda, Quarta e Sexta das 09h às 13h; Terça e Quinta das 13h às 17h.
E-mail: sepe.riodasostrasecasimiro@gmail.com
Twitter: @sepeostras
Facebook: Perfil Sepe Rio das Ostras

sexta-feira, 11 de abril de 2014

Rio das Ostras comemora 22 anos de emancipação política e administrativa com desfile no dia 10 de abril. Sepe presente.

 





No dia 10 de abril, quinta-feira, o município de Rio das Ostras completou 22 anos de emancipação política e administrativa, e comemorou-se o seu aniversário.





Como acontece todos os anos, um “desfile cívico” tem curso na Avenida Amazonas, no Centro da cidade. Aí desfilam representações de várias instituições locais.





Também como ocorre, nos últimos anos, uma representação da direção do Sepe Rio das Ostras e Casimiro de Abreu participou do evento. Desta vez, para panfletar junto à população, em geral, e aos profissionais de educação, em particular, com o tema: “Povo feliz, somente com serviços públicos de qualidade.”. (Ver conteúdo do documento neste blog.).





Na ocasião, os diretores sindicais aproveitaram para convidar os profissionais da educação para a próxima assembleia da rede municipal marcada para o dia 16, quando se dará prosseguimento à Campanha Salarial de 2014.






Só a luta transforma a vida!

Diretoria do Sepe Rio das Ostras e Casimiro de Abreu


Sepe - Núcleo Rio das Ostras e Casimiro de Abreu
End.: Alameda Casimiro de Abreu, 292 – 3º and. Sl. 8 – Nova Esperança – Rio das Ostras
Tel.: (22) 2764-7730
Horário de Funcionamento: Segunda, Quarta e Sexta das 09h às 13h; Terça e Quinta das 13h às 17h.
E-mail: sepe.riodasostrasecasimiro@gmail.com
Twitter: @sepeostras
Facebook: Perfil Sepe Rio das Ostras